The Obsessed – Sacred

(Resenha por Ricardo Guimarães)

a2675051771_16

Facebook / Bandcamp

A edição de 2012 do tradicional Roadburn Festival trazia como atrações principais duas lendas do Doom: Sleep e o primeiro show do The Obsessed desde 1995. Cinco anos depois o Sleep está no estúdio terminando de gravar o sucessor de Dopesmoker (2003) enquanto o Obsessed lança Sacred, o primeiro álbum do trio em mais de 20 anos.

De 1994 para cá, Scott “Wino” Weinrich (guitarra e vocal) fundou e encerrou inúmeras bandas, fez diversas colaborações e até se aventurou a lançar álbuns acústicos. Depois da curta reunião em 2012, Wino anunciou no ano passado o retorno do Obsessed com uma nova formação, que contava com Brian Costantino na bateria e Dave Sherman no baixo. Este trio entrou no estúdio e gravou Sacred, que já pode ser considerado um dos grandes lançamentos do ano.

A faixa de abertura do trabalho é “Sodden Jackal”, uma regravação de uma das músicas mais antigas da banda. Seguido dela vem “Punk Crusher”, onde Wino exibe toda as influencias do Motörhead em sua música. Na minha opinião o destaque da faixa é o trabalho na bateria de Costantino.

A maneira como os riffs de Wino casam perfeitamente com o estilo de Costantino é a razão pela qual todas as faixas de Sacred funcionam tão bem. Longe de soar como apenas uma banda tentando soar como em seus dias de glória, Costantino permite que as composições do lendário guitarrista alcance novos territórios que até então nunca foram possíveis. E lembrando que Wino já gravou um álbum com Dale Crover na bateria!

Entre os outros destaques que podem ser apontados estão as faixas “Perseverance of Futility”, “Be the Night” e “Stranger Things”, que conta com uma bela introdução acústica. Espero que Sacred seja o começo de uma nova fase duradoura do Obsessed. Muito mais do que um revival vazio, a atual formação do trio de Maryland mostra nestas 12 músicas que não precisa se prender a seus álbuns antigos para se manter relevante.

Tracklist
1. Sodden Jackal (4:23)
2. Punk Crusher (3:43)
3. Sacred (5:11)
4. Haywire (2:24)
5. Perseverance of Futility (4:02)
6. It’s Only Money (2:34)
7. Cold Blood (4:47)
8. Stranger Things (6:21)
9. Razor Wire (3:32)
10. My Daughter My Sons (3:44)
11. Be the Night (2:11)
12. Interlude (0:27)

===============================

The 2012 edition of the traditional Roadburn Festival featured two Doom legends: Sleep and the first The Obsessed show since 1995. Five years later Sleep is in the studio finishing recording Dopesmoker’s (2003) successor as The Obsessed released Sacred, the trio’s first album in more than 20 years.

From 1994 to here, Scott “Wino” Heinrich (guitar and vocals) founded and closed numerous bands, made several collaborations and even ventured to release acoustic albums. After the short reunion in 2012, Wino announced last year the return of The Obsessed with a new line-up that featured Brian Costantino on drums and Dave Sherman on bass.

This trio entered the studio and recorded Sacred, which can already be considered one of the great releases of the year. The opening track of the work is “Sodden Jackal” a re-recording of one of the band’s older songs. Followed by it comes “Punk Crusher”, where Wino displays all the influences of Motörhead on his music. In my opinion the highlight of the track is the work on the drums of Costantino.

The way that Wino’s riffs marry perfectly with Costantino’s style is the reason why all the tracks of Sacred work so well. Far from sounding like just a band trying to sound like in their glory days, Costantino allows the legendary guitarist’s compositions to reach new territories that have never been possible before. And remembering that Wino has already recorded an album with Dale Crover on drums!

Other highlights include “Perseverance of Futility”, “Be the Night” and “Stranger Things,” which features a beautiful acoustic introduction. I hope Sacred is the beginning of a new and lasting phase of The Obsessed. Much more than an empty revival, the current formation of the Maryland trio shows in these 12 songs that you do not have to stick to your old albums to stay relevant.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s