Mini-Reviews: Order of the Owl, Lord Mountain, Cloud, Weedsnake & URSA

Padrão

Order of the Owl – We Are Here to Collect Our Crown


ooto

Estados Unidos
Facebook / Bandcamp / Spotify

Este é um álbum que agrada pela diversidade, “We Are Here to Collect Our Crown” novo álbum da banda Order of the Owl traz uma mistura entre Sludge, Doom, Stoner, Crust Punk e até algo vindo do Drone. Organizar todas essas influências ao longo do trabalho poderia ser algo complicado e o resultado final poderia soar disperso, mas felizmente não é o que ocorre neste trabalho. Todas as influências que a banda possui estão encaixadas de forma precisa, cada faixa tem seu diferencial para conquistar o ouvinte. Seja arrastado pelo peso e sujeira clássica do Sludge em “Brought Below”, contagiado pela energia agressiva do Crust Punk  em “Wolves of True Diamond Hate”, e aprecie sem moderação o Stoner / Doom de muito peso da “Ressurection”.

Lord Mountain – Lord Mountain

a2513450431_16

Estados Unidos
Facebook / Bandcamp

Tudo envolvendo este EP é repleto de qualidade, sejam as composições, os vocais, as letras ou até mesmo as influências. O EP auto intitulado dos americanos da Lord Mountain é uma ode ao Doom Metal tradicional, trazendo riffs afiados e uma moldagem que bebe da fonte de bandas como Reverend Bizarre e Pagan Altar. Todas as 4 faixas apresentam um equilíbrio que ajuda a manter o ótimo nível de qualidade, repleto de passagens pesadas e que contam com um desempenho incrível das guitarras, tons mais sombrios e com toda aquela aura retro. Ouça a faixa “Under the Moutain” e você irá entender com clareza a dinâmica da banda.

Cloud – Inderteminate


a3777637573_16

Estados Unidos
Facebook / Bandcamp / Spotify

Indeterminate é o primeiro full lenght do trio americano Cloud e veio para reafirmar a qualidade encontrada no EP auto intitulado lançado no ano passado. Por ser uma abordagem quase que exclusivamente instrumental, algumas pessoas podem sentir a ausência dos vocais nos instantes iniciais do trabalho, mas acredito que logo após a abertura esmagadora do trabalho com a faixa título você será fisgado pela grande experiência sonora promovida pela música da Cloud. Os vocais surgem na terceira faixa do álbum numa participação especial do vocalista Gabriel Ravera da banda argentina Mephistofeles e é um dos grandes destaques do trabalho. O álbum está repleto de riffs absurdamente pesados, percussão bem organizada e linhas de baixo marcantes, a banda cria toda uma atmosfera cósmica e com uma vibe que se encaixa bem dentro do Stoner Rock, somada à abordagem Doom Metal incrivelmente bem executada e pesada, que a todo instante nos acerta em cheio.

Weedsnake – Reburn

a0264332177_16

México
Facebook / Bandcamp


Um dos meus favoritos nesta primeira metade do mês de Novembro, Reburn é o segundo álbum da banda mexicana Weedsnake e é uma manifestação repleta de peso e asquerosamente suja (no bom sentido da coisa) que remete aos grandes nomes do Sludge / Stoner / Doom. Não há nenhuma faixa no álbum que não te acerte uma pancada no meio da cara e te deixe tonto pedindo por mais, nove vícios que você vai adquirir após escutar o Reburn. Os vocais estão repletos de agressividade e trazem aquele tom insano bem caracterizado no estilo, os riffs são intensos e não nos dão trégua em nenhum instante, o timbre do baixo é bem nítido e a performance do baterista é marcante ao longo de todo o álbum. O apocalipse chegou e Reburn da Weedsnake é a trilha sonora, ouçam a “Psychoactive” e vão entender do que estou falando.

Ursa – The Yerba Buena Sessions

a2826792073_16

Estados Unidos
Facebook / Bandcamp 

Projeto dos membros da banda de Black Metal Cormorant, Ursa segue por um caminho bem diferente através de seu Stoner / Doom massivo e pesado. O álbum marca a estréia da banda e tem uma série de características que podem agradar aos fãs do gênero. O instrumental é organizado e apresenta uma variação de ritmos que não torna a sonoridade repetitiva ou enjoativa, pelo contrário, cada faixa no álbum renova o elo criado da banda com o ouvinte. Apesar de todo o peso existente na sonoridade da Ursa, sua música está repleta de uma série de arranjos mais elaborados e ótimas progressões, os vocais são predominantemente naquela linha mais dentro do Epic Doom Metal, e por fim, as letras focam em contos e histórias envolvendo temas místicos e mágicos. A produção do álbum dá um tom rústico e cru ao som da banda, mas que não compromete em nada o desempenho do álbum. Destaque para a faixa “Wizard’s Path“.

Anúncios

5 comentários sobre “Mini-Reviews: Order of the Owl, Lord Mountain, Cloud, Weedsnake & URSA

  1. Order of the Owl – We Are Here to Collect Our Crown

    This is an album that pleases for diversity, “We Are Here to Collect Our Crown” the new album of the band Order of the Owl brings a mix between Sludge, Doom, Stoner, Crust Punk and even something coming from Drone. Organizing all these influences throughout the work could be somewhat complicated and the final result might sound scattered, but fortunately it is not what occurs in this work. All the influences that the band has are precisely matched, each track has its differential to win the listener. Be swept away by Sludge’s classic weight and filth in “Brought Below,” smothered by Crust Punk’s aggressive energy in “Wolves of True Diamond Hate,” and enjoy the heavy-duty Stoner / Doom “Ressurection” without restraint.

    Curtir

  2. Lord Mountain – Lord Mountain

    Everything involving this EP is full of quality, be it on the compositions, the vocals, the lyrics or even the influences. Lord Mountain’s self-titled EP is an ode to traditional Doom Metal, bringing sharp riffs and a sneaky impression of bands like Reverend Bizarre and Pagan Altar. All 4 tracks have a balance that helps maintain the optimal level of quality, full of heavy passages and incredible performance of guitars, darker tones and all that retro aura. Listen to the track “Under the Moutain” and you will understand clearly the dynamics of the band.

    Curtir

  3. Cloud – Inderteminate

    Indeterminate is the first full lenght of the american trio Cloud and came to reaffirm the quality found in the self titled EP released last year. As an almost exclusively instrumental approach, some people may feel the absence of vocals in the early stages of the work, but I believe that soon after the overwhelming opening of the work with the title track you will be hooked by the great sound experience promoted by the Cloud’s music. The vocals appear in the third track of the album in a special participation of the vocalista Gabriel Ravera of the Argentine band Mephistofeles and is one of the great highlights of the work. The album is filled with absurdly heavy riffs, well-organized percussion and striking bass lines, the band creates a whole cosmic atmosphere with a vibe that fits right into Stoner Rock, coupled with the incredibly well executed and heavy Doom Metal approach. Every moment hits us in full.

    Curtir

  4. Weedsnake – Reburn

    One of my favorites in this first half of November, Reburn is the second album by the Mexican band Weedsnake and it’s a disgusting and filthy demonstration that goes back to the big names in Sludge / Stoner / Doom. There’s no track on the album that does not hit you in the middle of the face and makes you dizzy for more, nine addictions you’ll get after listening to Reburn. The vocals are full of aggression and bring that insane tone well characterized in style, the riffs are intense and give us no respite in no time, the tone of bass is very clear and the performance of the drummer is remarkable throughout the album. The apocalypse has arrived and Reburn from Weedsnake is the soundtrack, listen to “Psychoactive” and they will understand what I’m talking about.

    Curtir

  5. Ursa – The Yerba Buena Sessions

    Project from members of the Black Metal band Cormorant, Ursa follows a very different path through their massive and heavy Stoner / Doom. The album marks the debut of the band and has a number of features that can appeal to fans of the genre. The instrumental is organized and presents a variation of rhythms that does not make the sound repetitive or cloying, on the contrary, each track in the album renews the link created of the band with the listener. Despite all the weight of Ursa’s sound, his music is filled with a series of more elaborate arrangements and great progressions, the vocals are predominantly in that line of Epic Doom Metal, and finally, the lyrics focus on tales and stories Involving mystical and magical themes. The production of the album gives a rustic tand crude tone to the sound of the band, but that does not compromise in any way the performance of the album. Highlight the “Wizard’s Path” track.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s